Existem três tipos de reciclagem de plástico. Entenda como funcionam e sua importância

Diversos produtos e embalagens feitos com material plástico apresentam um símbolo que indica que eles são recicláveis, de acordo com o tipo de plástico do qual são feitos. Mas você já se perguntou como é feita a reciclagem de plástico?

No geral, a reciclagem de plástico descartado consiste, basicamente, em três processos:

  • Coleta e separação: é a separação dos resíduos de acordo com o seu material;
  • Revalorização: é a fase na qual o material já separado passa por um processo que faz com que ele volte a ser matéria-prima;
  • Transformação: fase em que o material transformado em matéria-prima gera um novo produto.
  • Separação do lixo: como separar o lixo corretamente.

Agora que já sabemos quais são os processos básicos da reciclagem, vamos entender como se dá o processo de transformação dos materiais. Existem três tipos de reciclagem, que geram diferentes tipos de produtos e benefícios:

1) Reciclagem Mecânica

É o método mais comum. Ele consiste em transformar os plásticos (tanto os oriundos de sobra industrial – sobras virgens do processo produtivo – quanto os descartados pós-consumo – materiais recuperados no lixo por meio da coleta seletiva) em pequenos grânulos, que podem ser utilizados na produção de novos materiais, como sacos de lixo, pisos, mangueiras, embalagens não-alimentícias, peças de automóveis, entre outros.

O modo de funcionamento já é conhecido por quem está antenado no mundo da reciclagem. Primeiro, ocorre a coleta dos plásticos descartados por meio de associações de catadores, cooperativas ou pela coleta municipal. Em seguida, nesses locais, ocorre a separação, a triagem dos diferentes tipos de plástico e a limpeza, para retirar restos de sujeira dos conteúdos. Depois de todo esse processo, o plástico granulado é produzido. Saiba mais em “O que é reciclagem mecânica?”.

2) Reciclagem Química

Trata-se do modelo mais elaborado, que reprocessa os plásticos para transformá-los em materiais petroquímicos básicos, que servem de matéria-prima para a criação de produtos de elevada qualidade.

Se compararmos a reciclagem química com a mecânica, ela tem uma maior flexibilidade sobre a composição e é mais tolerante a impurezas, ou seja, não requer uma triagem tão minuciosa. No entanto, o modelo químico é mais caro e necessita de enormes quantidades de plástico para ser economicamente viável.

3) Reciclagem Energética

Consiste na tecnologia que faz a reciclagem de plásticos por meio de sua transformação em energia térmica e elétrica, através da incineração, permitindo o aproveitamento do poder calorífico armazenado nos plásticos. Além disso, esse tipo de reciclagem permite também que os plásticos sejam aproveitados como combustível.

reciclagem energética é muito importante, pois cria novas matrizes energéticas e traz ainda um grande benefício para as cidades, aliviando o peso da questão do destino do lixo urbano.

Mas, infelizmente, esse tipo de reciclagem ainda não é praticado no Brasil – apesar de ser amplamente difundida no exterior e muito usado em países como a Noruega, o método de implantação é caro e o Brasil conta apenas com uma usina experimental, a Usina Verde, que fica no campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

No que o plástico reciclado se transforma?

Se você está louco para saber no que o plástico pode se transformar, a sua espera está quase no final. A resina obtida após a reciclagem de plástico pode dar origem a objetos impensáveis. Dê uma olhada:

Se você quer descartar seus objetos plásticos corretamente em Olinda, mande um WhatsApp para: (81) 9.96584497.